Os Tempos Chegados

 

Os Tempos Chegaram

 

Os espíritos atingidos pelas medidas seletivas da Lei do Progresso Espiritual são aqueles que João Evangelista indica claramente no livro do Apocalipse, capítulo 21, versículo 8: "os tímidos, os incrédulos, os abomináveis, os homicidas, os voluptuosos, os feiticeiros, os idólatras, os mentirosos, cuja parte será no tanque ardente de fogo e enxofre, que é a segunda morte". Deveis ter notado que as lendas infernais sempre designam o inferno como um local onde o enxofre sufoca e traz o odor característico de Satã. O profeta alude simbolicamente às condições angustiosas nos charcos repugnantes do Além, onde irão debater-se todos os que forem candidatos ao "ranger de dentes". O apóstolo Paulo, em sua segunda epístola a Timóteo, capítulo 3, versículo 2, põe em relevo a angústia desses dias finais, quando adverte: "... nos últimos dias sobrevirão tempos perigosos" e, na segunda epístola aos Tessalonicenses, capítulo 2, versículo 11, diz: "para que sejam condenados todos os que não deram crédito à verdade, mas assentiram à iniquidade (perversidade)".

 

Jesus foi claríssimo ao predizer o caráter do ambiente psicológico que identificaria a hora dos "tempos chegados", e nos deu verdadeiras senhas que nos permitem localizar a sua época. E ainda reforçou as suas afirmativas quando nos assegurou: "... passarão o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão". Referindo-se a precisão cósmica, os quais não se regem pelo calendário humano, pois que estão fora do "espaço" e do "tempo" da concepção humana, ele acrescentou: "Quanto ao dia e à hora, ninguém sabe, mas unicamente o Pai". Prevendo a tradicional desconfiança do habitante terráqueo, o Divino predisse: "E aquele que tiver olhos de ver que veja"; pois muitos homens têm olhos, mas são piores que os cegos! E será pregado o Evangelho do Reino por todo o mundo, em testemunho a todas as gentes, e então ninguém terá duvidas. Atualmente, o nosso mundo é um viveiro de profetas e de criadores de novos credos, doutrinas e movimentos fraternistas; há verdadeira aflição para se consolidarem campanhas de aproximação entre os seres e as religiões.

 

Todos os que se sentem tocados pelo "pressentimento" de que estão no limiar dos "grandes acontecimentos" deixam-se tomar por estranho misticismo e ansiedade de "salvação"! Há, nesse sentido, uma tendência eclética no ar e, como reais sinais dos tempos, misturam-se falsos e verdadeiros profetas! Fermentam-se ideias velhas com ideias novas; digladiam-se velhos pensadores com os novos missionários que surgem de todos os quadrantes do planeta. Os conceitos de "universalismo", dos novos, entram em conflito com o "divisionismo" professado pelos tradicionalistas das revelações conservadoras! Podeis notar que se afrouxam as barreiras entre as minorias religiosas, que se estão ligando pouco a pouco aos movimentos ecléticos mais ousados, no campo do espiritualismo absorvente dos simpáticos à lei da reencarnação. A iminência de uma catástrofe, latente no âmago do espírito reencarnado, vai unindo e afinizando os homens, assim como a perspectiva de um naufrágio irmana todos os componentes da mesma embarcação. Enquanto os fracos de espírito mais se entregam à volúpia do gozo insano, os que são tocados pela voz interior se buscam e se adivinham, unindo-se como que para o derradeiro sustentáculo fraterno, no limiar da hora profética. O "faro" espiritual da vossa humanidade já assinala a proximidade dos acontecimentos que estão eclodindo na penumbra do vosso orbe! Poucos hão de perceber que nas palavras de Jesus "E o Evangelho será pregado a todas as gentes" (Mateus, capítulo 24, versículo 14), manifesta-se a magnânima bondade do Pai, que ainda possibilitará a todos a oportunidade de rápida regeneração sob o evento da hecatombe planetária e na seleção do joio e do trigo, dos lobos e das ovelhas, ou dos que sentarão a esquerda ou a direita do Pai..

 

Dizem as profecias (em ligeiro resumo): Quando os pássaros de aço deitarem ovos de fogo; quando os homens dominarem os ares e cruzarem o fundo dos mares; quando os mortos ressuscitarem; quando descer fogo dos céus e os homens do campo não puderem alcançar a cidade e os das cidades não puderem fugir para os campos; quando estranhos sinais se fizerem no céu e coisas extravagantes forem vistas da Terra; quando crianças, moços e velhos tiverem visões, premonições, e fizerem profecias; quando os homens se dividirem em nome do Cristo; quando a fome, a sede, a miséria, a doença e as ossadas substituírem as populações das cidades; quando irmãos de sangue se matarem e as criaturas adorarem a "Besta", então os tempos estarão chegados. Atos, capítulo 2, versículo 17: "E quando os tempos chegarem, vossos filhos e filhas profetizarão".

 

Nota: É evidente que tudo isso já se está realizando no vosso mundo e na época em que viveis; se não, em rápida síntese poderemos vos comprovar a realidade de nossa afirmação: Os pássaros de aço são os aviões, que vomitam bombas; os homens dominam os ares e o espaço, submarinos cruzam o fundo dos mares; os mortos ressuscitam todos os dias, na figura de espíritos, materializando-se, na visão de médiuns. O "fogo" já tem descido dos céus, com os engenhos de guerras; as enchentes tem impedido os do campo chegarem a Cidade e vise versa. Em determinados períodos aparecem-vos no céu estranhos sinais emitido pelas grandes explosões solares ou dos satélites artificiais, e ainda dos chamados "Discos Voadores" ou objetos voadores não identificados. As crianças, jovens e velhos, sob a ação da mediunidade, tornam-se reveladores: De visões, ouvem, veem ou sentem os espíritos, e predizem acontecimentos cotidianos. As seitas e religiões surgem e se multiplicam, baseadas no mesmo livro sagrado. A desordem, a fome; o medo, a angústia e a miséria, avolumam-se em vosso mundo. Trucidam-se esposos e esposas; agridem-se filhos e pais; matam-se entre si irmãos consanguíneos; estranhas criaturas praticam crimes abomináveis, revelando a existência da “Besta” (que é o símbolo do desregramento humano), potencializado pelo Astro intruso. A vossa medicina esgota-se para debelar a multiplicidade de doenças inexplicáveis, de terminologia brilhante incurável; estranhas epidemias eclodem bruscamente; vírus conhecidos persistem em semear novos surtos patológicos, substituindo continuamente as enfermidades que foram erradicadas. Eis um panorama resumido do que foi profetizado.